sexta-feira, 15 de maio de 2015

Essências

As vezes eu fico realmente feliz, escondido em cobertas, livros e canecas de chá, aquecendo meu corpo e minha alma com um vazio de mundo. Ausência da vida, certa falta das maldades que fazem entristecer. Mas eu lembro que lá fora eu tenho amigos e tiro o corpo da minha toca. Observo. Vou até lá. Convivo. Retorno pra nunca mais desejar sair: tive medo do que vi. Cercando o brilho dos meus amigos, algo muito muito ruim traça os infinitos limites do mundo.


Acho que apenas não gosto dessa existência
e não quero que ela me toque com o que tem pra oferecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário