domingo, 15 de fevereiro de 2015

um diário, uma refeição

Meu corpo se constringe em fome, no soluço preso na garganta
e na vontade de morrer em sua cama.

A comida desce azeda e amarga, a garganta não silencia o choro:
e você me come e finge que me ama. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário