quinta-feira, 14 de agosto de 2014

areias - Sonhos

Observo, mas aqui não consigo encontrar estrelas.
Os pequenos grãos celestes estão salpicados:
o lado de lá da ampulheta está mais vazio.

Ampulheta (e)terna,
o eu-deserto escorre pelas pontas dos dedos e pela extensão dos braços
quando te revejo, quando te abraço.

As areias começaram a circular:
um céu de sonhos se desdobra iluminado.


(e)ternamente, por você, me dobrei em carinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário