terça-feira, 29 de julho de 2014

canal

Tem um falso rio, um falso mar, dentro de mim. Por ele, vazam emoções que não conto (mas que com você já comentei). Nele, controlados, navegam gestos e meandros rústicos. Nesse rio em que choro, nesse mar em que rio, passa minha intimidade.

Ele flui, Cris(is), reto e firme como um canal, ilimitado pela ponta dos meus dedos e, traduzidos, escorrem nos meus textos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário