quarta-feira, 18 de junho de 2014

artesanato

Estive vazio na primeira visita
e hoje ecoa em mim tua brevidade.
Vento que passa de teus passos e se afastam,
pó erguido virando lama em minhas lágrimas.

Caminhos percorridos por passos-nuvens,
não se notou sua passagem:
Em seu tempo as águas não se moveram
nem a neblina se dissipou por qualquer malgrado.

E já as lágrimas se evaporaram,
embora duradouras reféns da tua presença.
E a terra, antes lama,
transfigurou-me em barro seco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário