sábado, 10 de maio de 2014

goles de mar

Eu gostaria de tomar em goles largos tudo aquilo que nosso namoro é. Mas estou bebericando. Tratamos a conta gotas o que precisamos tratar como dilúvio.  Nele, não me afogaria: te sorveria inteira, com as mesma boca que te beijo, te chupo e te digo "eu te amo", assim, imerso em nosso amor.

A conta gotas, você respinga na minha vida. Sou um deserto a ser banhado. Não sou mais árido, mas sinto que necessito mais. Não que a necessidade possa ser extinta. Preciso mergulhar mais, mas podemos nos permitir isso apenas aos poucos, eu só posso ser pouco, você só pode ser pouco.

Mas, pra quem tem o infinito particular para se amar, de gota a gota, faremos de nós oceano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário